A ocupação do Litoral Setentrional

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Durante a União Ibérica(1580-1640) que abrangeu os reinados de Filipe II, Filipe III, e, em parte, o de Filipe IV, inúmeros acontecimentos envolveram Portugal e seus domínios, já então sob a autoridade de um rei espanhol.


Os três Filipes administraram um extenso império, considerado o mais poderoso da época, enfrentando várias dificuldades.


Uma parte desses problemas referia-se ao mundo colonial, constantemente assediado pelas potências rivais: França, Inglaterra e Províncias Unidas, em especial a Holanda, a mais importante delas.


No caso da Colônia americana de Portugal, temendo a presença de estrangeiros, em especial dos franceses responsáveis por constantes incursões no litoral, a política filipina orientou-se no sentido da defesa do território. Tinha como objetivos garantir a posse do território e ocupar a foz do Rio Amazonas, impedindo o acesso de estrangeiros às minas de prata do Peru.


Interessados em escravizar os nativos; em tomar suas terras, transformando-as em canaviais; em impedir que estrangeiros, especialmente os franceses, fundassem núcleos coloniais produtores também de açúcar, colonizadores e colonos, apoiados por seus agregados, prosseguiam a expansão oficial. Partiam, agora, do litoral oriental (Bahia e Pernambuco) em direção ao litoral setentrional.
Quase sempre eram acompanhados - e mesmo, em alguns casos, precedidos - por missionários empenhados na difusão da fé católica entre os nativos.

A partir desta ação ergueram-se fortes que representavam monumentos da conquista empreendida pelos colonizadores. Esta, por sua vez, consolidava-se através do povoamento.

Fonte:www.multirio.rj.gov.br

0 comentários:

ÚLTIMOS COMENTÁRIOS

 
Design by: Searchopedia convertido para o Blogger por TNB